Em frente, vamos!.

EM FRENTE, VAMOS! Com presença, serenidade e persistência, há boas razões para esperar que isto é um bem...

terça-feira, 30 de abril de 2013

Queremos trabalho

Há 123 anos que celebramos a festa do dia do trabalhador como sinal de solidariedade com todos os trabalhadores e trabalhadoras do mundo. Será que de um mundo do trabalho centrado no capital e na mecanização teremos, por fim, chegado a um mundo centrado na pessoa humana?

Segundo dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), estamos ainda longe de atingir esse horizonte, e a situação agrava-se com o que se está a passar nestes últimos tempos. Uma média de 49% dos empregados em todo o mundo ainda ganham menos de 2 dólares por dia e, entre eles, 39% menos de um dólar! Duzentos milhões de homens e mulheres estão desempregados!

Hoje, a pobreza agravou-se ainda mais no mundo. Segundo um relatório da OCDE, 60% dos trabalhadores ou trabalhadoras no mundo não têm um contrato e estão mais expostos à insegurança do trabalho – refere a Mensagem do Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos, 1º de Maio de 2013, “Todos pela justiça e pela dignidade humana”.

A título ilustrativo, nesta procura pelo mundo de encontrar melhores condições de vida, chega a notícia que o Governo canadiano anunciou medidas que poderão dificultar a entrada no país de trabalhadores estrangeiros temporários, a fim de evitar que as empresas substituam os trabalhadores locais por mão-de-obra mais barata.

O programa atual permite a chegada ao país de mais de 300 mil trabalhadores estrangeiros temporários por ano e tem contribuído para a substituição de canadianos por imigrantes.

O programa de trabalhadores estrangeiros temporários tinha a intenção de responder a uma grave escassez laboral apenas temporariamente e não de deslocar os trabalhadores canadianos.

Mas a partir de agora, as empresas que solicitem trabalhadores estrangeiros para preencher vagas terão de pagar para que o seu requerimento seja considerado. O montante que os trabalhadores estrangeiros terão de pagar para obter a autorização de trabalho também vai ser revisto em alta. Atualmente a taxa cobrada é de 150 dólares canadianos (cerca de 114 euros). Porém, a alteração mais importante prende-se, segundo analistas, com a eliminação da disposição que permitia às empresas pagarem a trabalhadores estrangeiros temporários salários cerca de 15% inferiores ao vencimento médio correspondente a esse posto de trabalho.

Os Sindicatos e partidos da oposição têm apontado que a autorização para pagarem menos aos trabalhadores oriundos de fora fomentava a redução dos salários dos canadianos e a importação de mão-de-obra barata. Em março, a economia do país terá perdido 54.500 postos de trabalho.

Uma investigação jornalística indica que muitas empresas do sector de serviços e alimentação estavam aproveitar-se do programa de trabalhadores estrangeiros temporários ao preencherem postos em que não faltavam candidatos locais. Contudo, parece óbvio que as mudanças não vão afetar diretamente os milhares de trabalhadores estrangeiros temporários que todos os anos chegam ao Canadá.

O trabalho é cada vez mais tratado como um valor precioso, quando é um direito – insistimos. O nosso mundo, apesar de ser cada vez mais pequeno, está inclinado, precisa de reequilíbrio! Vamos trabalhar isto!?

(in Correio do Vouga, 2013.05.02)

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Informal, formal, não formal

 

Um pouco por todo o lado é comum ouvir, e sentir, os pares manifestarem apreensão, preocupação, perante a debaque instalada na sociedade, na vida das pessoas. Efetivamente a coerência entre o compromisso assumido e a alteração de trajeto até o ver concretizado, podendo mesmo faltar sem explicação ou com uma mensagem aparentemente rebuscada, passou a ser uma experiência comum. Já é raro, tão raro que já se desconfia de quem cumpre, encontrar coerência entre intenção e execução!

O êxito do meio sobre a mensagem, a aceleração do tempo, a comunicação em massa, o legítimo acesso ao limite do conhecimento, etc. suscitaram o triunfo da informação que, explorada nas suas enormes potencialidades, provocou uma revolução silenciosa de ideias e práticas: a desestruturação (do exigente, do vigente), o hábito informal.

O informal marca, como processo diluído, circunstancial, que se desenrola no decurso, ao ritmo do factual, a atividade, a vida.

Assiste-se à queda do formal, do raciocínio e do conhecimento; à eliminação da progressão cronológica, confundida com institucionalizado, graduado hierarquicamente num sistema articulado de causas e consequências; confunde-se temperança com tibieza; quer-se para já o que demora o seu tempo.

Quando atingirmos esta prática generalizada, emerge o não formal, uma outra forma, portanto! A negação da atividade organizada, sistemática, executada fora do quadro do sistema formal para oferecer outro tipo de ordem!

Voltando à ideia inicial, parece que querendo não ter tempo para nada, tudo é justificável pela falta de tempo. No fundo, parece, mas não passa de uma perceção, o que está em causa é o encontro com quadro de referências que fazem de um conjunto de pessoas um grupo; de uma massa uma obra de arte (renascentista, moderna ou contemporânea) – até aqui, a anarquia só tem sentido quando lhe é dada uma forma!

O compromisso é dar forma ao sentido das ideias, das coisas, do tempo!

(in Correio do Vouga, 2013.04.24)

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Geografia do mundo.

 
Não, não se diga mais nada!
É muito provável que o êxtase com que a maioria das pessoas contempla uma bonita paisagem, como cada um se deixa transportar para uma estância exótica, sempre que é solicitado o destino de férias ideal, e em tantas outras circunstâncias idênticas que se torna fastidioso enumerar, pode indiciar – estamos convictos da certeza – que há no ser humano um desejo de harmonia e de contemplação que impele à superação da rotina, à abstração, à extensão do olhar para além do pontual, medíocre, banal.
Os acontecimentos recentes convidam a rasgar o horizonte. Às tensões que têm vindo a emergir e que, nos últimos apontamentos aqui fazemos referência, junta-se o atentado de Boston.
Se colocados numa montanha imaginária e olharmos a geografia do mundo; se, utilizando as novas tecnologias, rodarmos sobre nós próprios na plataforma 3D do Google Earth; se lermos os jornais; se fizermos uma retrospetiva histórica;… constataremos que há qualquer coisa de estranho à nossa volta: tão belo na harmonia global, tão estragado sob os nossos pés! A geografia do mundo pode ganhar em harmonia mas perde para a assimetria. Já cansam as palavras para tantos dislates!
Relendo o Cancioneiro de Fernando Pessoa…
Não: não digas nada!
Supor o que dirá
A tua boca velada
É ouvi-lo já

É ouvi-lo melhor
Do que o dirias.
O que és não vem à flor
Das frases e dos dias.

És melhor do que tu.
Não digas nada: sê!
Graça do corpo nu
Que invisível se vê.
















terça-feira, 9 de abril de 2013

O precipício

Conta-se, em tom jocoso, anedótico, que no momento de início de funções, em jeito de balanço do trabalho produzido pelo executivo anterior, um determinado líder terá prometido: “amigos, com a direção anterior, a nossa organização chegou à beira do abismo!” – apesar de pouco elegante, percebe-se a análise no entusiasmo do momento.
A completar a ideia, veio o remate final, a chave apoteótica – aquela ênfase que espera um encerramento alegre, grandioso, normalmente a culminar com uma estrondosa salva de palmas: “… comigo, vamos dar um passo em frente!”
Ou seja, uma promessa tão esperançosa conduziu os presentes para o receoso precipício!
É aqui que estamos: à beira do abismo! Será que vamos dar um passo em frente?
Tudo nos sugere que, pela forma e fórmula expostas, valerá muito mais dar um passo à retaguarda para poder dar o salto para um futuro melhor.
É urgente dar ferramentas aos criativos e aos jovens para patentearem as suas ideias e fomentarem novas oportunidades.
O jornal Expresso, no âmbito dos seus quarenta anos, dedicou a Aveiro a última edição. Fez manchete com o facto de estarmos perante um caso de esperançoso sucesso: Silicon Valley. Tanto mais que a Universidade de Aveiro fez a apresentação pública e divulgação de finalistas dos Projetos empreendedores a caminho de Silicon Valley.
Neste evento de encerramento dos quatro concursos promovidos pelo Aveiro Empreendedor (CMA|AGIR, AIDA, UA|AAAUA e IEUA Start), os 15 projetos finalistas apresentarão as suas ideias através de um pitch. Os quatro projetos vencedores, irão usufruir de um Programa de Imersão em Silicon Valley.
Como não faltam ideias para pantear, apenas faltará “engenharia financeira” para transformar estes projectos em produto de mercado e com isto… saltar o precipício.
Em boa verdade, também serão necessárias outras estratégias e outros decisores para da dificuldade fazer oportunidade.