Em frente, vamos!.

EM FRENTE, VAMOS! Com presença, serenidade e persistência, há boas razões para esperar que isto é um bem...

terça-feira, 30 de abril de 2013

Queremos trabalho

Há 123 anos que celebramos a festa do dia do trabalhador como sinal de solidariedade com todos os trabalhadores e trabalhadoras do mundo. Será que de um mundo do trabalho centrado no capital e na mecanização teremos, por fim, chegado a um mundo centrado na pessoa humana?

Segundo dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), estamos ainda longe de atingir esse horizonte, e a situação agrava-se com o que se está a passar nestes últimos tempos. Uma média de 49% dos empregados em todo o mundo ainda ganham menos de 2 dólares por dia e, entre eles, 39% menos de um dólar! Duzentos milhões de homens e mulheres estão desempregados!

Hoje, a pobreza agravou-se ainda mais no mundo. Segundo um relatório da OCDE, 60% dos trabalhadores ou trabalhadoras no mundo não têm um contrato e estão mais expostos à insegurança do trabalho – refere a Mensagem do Movimento Mundial de Trabalhadores Cristãos, 1º de Maio de 2013, “Todos pela justiça e pela dignidade humana”.

A título ilustrativo, nesta procura pelo mundo de encontrar melhores condições de vida, chega a notícia que o Governo canadiano anunciou medidas que poderão dificultar a entrada no país de trabalhadores estrangeiros temporários, a fim de evitar que as empresas substituam os trabalhadores locais por mão-de-obra mais barata.

O programa atual permite a chegada ao país de mais de 300 mil trabalhadores estrangeiros temporários por ano e tem contribuído para a substituição de canadianos por imigrantes.

O programa de trabalhadores estrangeiros temporários tinha a intenção de responder a uma grave escassez laboral apenas temporariamente e não de deslocar os trabalhadores canadianos.

Mas a partir de agora, as empresas que solicitem trabalhadores estrangeiros para preencher vagas terão de pagar para que o seu requerimento seja considerado. O montante que os trabalhadores estrangeiros terão de pagar para obter a autorização de trabalho também vai ser revisto em alta. Atualmente a taxa cobrada é de 150 dólares canadianos (cerca de 114 euros). Porém, a alteração mais importante prende-se, segundo analistas, com a eliminação da disposição que permitia às empresas pagarem a trabalhadores estrangeiros temporários salários cerca de 15% inferiores ao vencimento médio correspondente a esse posto de trabalho.

Os Sindicatos e partidos da oposição têm apontado que a autorização para pagarem menos aos trabalhadores oriundos de fora fomentava a redução dos salários dos canadianos e a importação de mão-de-obra barata. Em março, a economia do país terá perdido 54.500 postos de trabalho.

Uma investigação jornalística indica que muitas empresas do sector de serviços e alimentação estavam aproveitar-se do programa de trabalhadores estrangeiros temporários ao preencherem postos em que não faltavam candidatos locais. Contudo, parece óbvio que as mudanças não vão afetar diretamente os milhares de trabalhadores estrangeiros temporários que todos os anos chegam ao Canadá.

O trabalho é cada vez mais tratado como um valor precioso, quando é um direito – insistimos. O nosso mundo, apesar de ser cada vez mais pequeno, está inclinado, precisa de reequilíbrio! Vamos trabalhar isto!?

(in Correio do Vouga, 2013.05.02)

Nenhum comentário: