Em frente, vamos!.

EM FRENTE, VAMOS! Com presença, serenidade e persistência, há boas razões para esperar que isto é um bem...

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Conhecimento, Emílio, Da educação e impunidades

 
A educação em Portugal – é deliberada, claro, a incoerência gramatical no uso da minúscula – volta a preocupar tudo e todos pelos piores motivos. Há dois âmagos de principal relevância.
Destaca-se, pelo impacto – provisório, logo se vê, mas intencionalmente estruturante -, a medida que preconiza os cortes na investigação científica, em particular nas ciências sociais e áreas de estudo preteridas, segundo os arautos da fundamentação arcaica, retrógrada, “cavérnica”, de pensamento revelador de procedimento pusilânime, as que não sublimam o “curriculum” de natureza industrial, muito circunscrito a finais do século XVIII, o liberalismo de  Adam Smith: o individualismo é bom para toda a sociedade, o ideal seria as pessoas resolverem livremente os seus interesses individuais. O Estado é que atrapalha a liberdade dos indivíduos. Para o autor escocês, o Estado deveria intervir o mínimo possível sobre a economia. Se as forças do mercado agissem livremente, a economia poderia crescer com vigor. Assim, cada empresário faria o que bem entendesse com seu capital, sem ter de obedecer a nenhum regulamento criado pelo governo. Os investimentos e o comércio seriam totalmente livres. Sem a intervenção do Estado, o mercado funcionaria automaticamente, como se houvesse uma "mão invisível" a acomodar tudo e todos. Ou seja, o capitalismo e a liberdade individual promoveriam o progresso de forma harmoniosa. Em suma, quem pode, pode!
O debate sobre o suposto caso das praxes, das que se falam (no ensino superior), deverá ser mais profundo; temos de colocar a reflexão muito mais a montante nos ritos de iniciação, inclusão e conclusão - nos infantários, nos vários ciclos de ensino (à entrada e, em particular, à saída, festas e viagens de finalistas) e, sobretudo durante os processos ensino-aprendizagem. É por isso, pertinente, recordar Emílio, ou Da Educação (a obra filosófica sobre a natureza do homem, de Jean-Jacques Rousseau, de 1762. Recordando, Rousseau aborda temas políticos e filosóficos referentes à relação do indivíduo com a sociedade, particularmente explica como o indivíduo pode conservar sua bondade natural (sustenta que o homem é bom por natureza), enquanto participa de uma sociedade inevitavelmente corrupta. No Emílio, Rousseau propõe, mediante a descrição do homem, um sistema educativo que permita ao “homem natural” convier com essa sociedade corrupta e corrompida de ética que privilegie o bem comum em detrimento do individualismo exacerbado e hedonista “ninguém toca no jardim do vizinho; cada qual respeita o trabalho do outro a fim de que o seu esteja em segurança” (Emílio).
A sociedade, fundamentalmente pela ação desestruturante da Administração do Estado, perdeu referencias de organização, método, responsabilidade e responsabilização pessoal e coletiva, correlação causa-consequência. Impunidade! E tudo indica que não batemos no fundo! Política de terra queimada?!



quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

De Eusébio a Ronaldo

 
Os acontecimentos recentes tornam incontornável, apesar de parco, uma reflexão sobre o friso cronológico que nos distanciou e aproxima no tempo mediado entre a primeira e a última conquista da Bola de Ouro (melhor jogador de futebol do mundo): 1965-2013.
De Eusébio a Ronaldo!
O prémio para Eusébio foi em 1965. Nessa altura vivia-se governado numa ditadura. Estávamos em plena guerra colonial – era de guerra que se tratava, mesmo que o regime tentasse mascarar a situação.
O país estava enterrado na pobreza, na mobilização para o serviço militar e consequentes “comissões” nos países sob administração portuguesa.
Segundo o Observatório de Emigração em 1965 atinge-se o máximo expoente, 4, 5 milhões de portugueses tinha dado o “salto “ – em sentido literal e em sentido figurado; destes, 120 mil no ano da bola de ouro de Eusébio!
A inflação rondava os 5%!
Os vários setores de produção e serviços sociais estavam paralisados sob o jugo dos desgovernos!
Na segunda-feira, 4 de Outubro de 1965, surge o "Manifesto dos 101 católicos" denunciando a cumplicidade entre a hierarquia da Igreja Católica e o regime na questão da guerra colonial. No documento é criticada a cumplicidade entre a hierarquia da Igreja Católica e o regime no que diz respeito à guerra em África.
E em 2014?
Eusébio partiu!
E, na partida do Sr Eusébio, quantas memórias de um país sem futuro foram recordadas nos contextos do mundo do futebol?!
Referente a 2013, chega a quarta bola de ouro – para além das mencionadas, honra a Luís Figo, em 2000 – muito trabalhada, conquistada a pulso, como é típico no emigrante português!
O país desenvolveu-se, investiu, melhorou as condições de vida das pessoas… e de repente emigrou. Em 2012, 120 mil emigrantes!? Inflação?!...
Quanto ao resto… estaremos na mesma?!
O arauto da esperança, o pendor da mudança é dado pelo Papa Francisco, para onde tendem a olhar crentes e não crentes!
(iin Correio do Vouga, 2014.01.15)















quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

2014

 
O início de uma etapa nova refaz motivação e expectativas. Assim seja! Cá estamos para mais uma “translação”!
E o que nos espera, para além do inevitável, o que temos como certo, o que podemos teorizar como “limitação do limite”, isto é, até ali vamos mas depois já nada sabemos ou não queremos saber. Será a finitude ou infinitude?! Só Chronos nos dirá…
Porém, cada um e cada uma, norteados por princípios universais, somos convidados a fazer o que nos compete.
Recriar a esperança!
Inspirados pelo Papa Francisco (Mensagem para o Dia Mundial da Paz), o número sempre crescente de ligações e comunicações que envolvem o nosso planeta torna mais palpável a consciência da unidade e partilha dum destino comum entre as nações da terra.
Nos dinamismos da história – independentemente da diversidade das etnias, das sociedades e das culturas –, vemos semeada a vocação a formar uma comunidade feita de irmãos que se acolhem mutuamente e cuidam uns dos outros. Contudo, ainda hoje, esta vocação é muitas vezes contrastada e negada nos fatos, num mundo caracterizado pela «globalização da indiferença» que lentamente nos faz «habituar» ao sofrimento alheio, fechando-nos em nós mesmos. E, citando Bento XVI , a globalização torna-nos vizinhos, mas não nos faz irmãos. As
inúmeras situações de desigualdade, pobreza e injustiça indicam não só uma profunda carência de fraternidade, mas também a ausência duma cultura de solidariedade. As novas ideologias, caracterizadas por generalizado individualismo, egocentrismo e consumismo materialista, debilitam os laços sociais, alimentando aquela mentalidade do «descartável» que induz ao desprezo e abandono dos mais fracos, daqueles que são considerados «inúteis». Assim, a convivência humana assemelha-se sempre mais a um mero do ut des (dou para que me dês) pragmático e egoísta.
Partilhar na sobriedade. Ano Europeu contra o Desperdício Alimentar.
De acordo com dados de 2012, em Portugal cerca de um milhão de toneladas de alimentos por ano, cerca de 17% do que é produzido, vai para o lixo, e nos 27 Estados Membros da UE a produção anual de resíduos alimentares ronda os 89 milhões de toneladas, estimando a UE que possa chegar a 126 milhões de toneladas em 2020.
30% dos produtos horto-frutícolas na Europa vão para o lixo!
Para que medidas importantes para a resolução deste problema sejam tomadas, o Parlamento Europeu propôs, e foi aprovado, que o ano de 2014 fosse declarado como o Ano Europeu contra o Desperdício Alimentar. Este é um problema que atingiu proporções mundiais e que abrange várias dimensões, desde o campo até à mesa dos consumidores.
Diligenciar o essencial. Ano internacional da agricultura familiar.
O Ano Internacional da Agricultura Familiar (AIAF), 2014, visa aumentar a visibilidade da agricultura familiar e dos pequenos agricultores, focalizando a atenção mundial no seu importante papel na erradicação da fome e pobreza, provisão de segurança alimentar e nutricional, melhoria dos meios de subsistência, gestão dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e para o desenvolvimento sustentável, particularmente nas áreas rurais.
O objetivo do AIAF 2014 é reposicionar a agricultura familiar no centro das políticas agrícolas, ambientais e sociais nas agendas nacionais, identificando lacunas e oportunidades para promover uma mudança rumo a um desenvolvimento mais equitativo e equilibrado.  O AIAF 2014 vai promover uma ampla discussão e cooperação no âmbito nacional, regional e global para aumentar a consciencialização e entendimento dos desafios que os pequenos agricultores enfrentam e ajudar a identificar maneiras eficientes de apoiar os agricultores familiares.
E das “tentações do deserto”, a representação do poder (espiritual, económico-financeiro e político-administrativo), projeta-se um novo ciclo da vida. Se não cairmos em tentação, 2014 será muito melhor do que o podemos esperar. Para além deste quadro, haja saúde, trabalho, educação,...justiça e paz!
(in Correio do Vouga, 2014.01.08)