Em frente, vamos!.

EM FRENTE, VAMOS! Com presença, serenidade e persistência, há boas razões para esperar que isto é um bem...

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

O Governo das coisas

 

As instituições de apoio e caridade social – não são necessários pruridos semânticos sobre o que vale mais entre caridade e solidariedade, trataremos disso no próximo Correio do Vouga - têm registado um aumento significativo do número de pedidos de apoio por parte das famílias portuguesas – referíamos no anterior número do Correio do Vouga.

Os termos têm origens diferentes, originalidades próprias, processos de atuação diferenciados e fins próximos.

À atitude de amor (“caritas, caridade”) ao que está ao lado e que precisa (o amor do próximo – no Evangelho (Lucas 10) a questão colocada sobre “quem é o próximo?” dá a entender como certa a resposta sobre o que atua “com-paixão”, independente da proveniência étnica, ministério, responsabilidade, grandeza ou simplicidade) emergirá o ser solidário (deriva do latim «solidu», que significa firme, consistente, seguro, duradouro, mas também aquele que tem responsabilidade mútua ou interesse comum, que apoia, que está pronto a auxiliar ou a defender outrem, que tem as suas funções em estreita correlação com outros órgãos).

A discussão e legitimação da natureza e origem do poder com a sociabilidade a inscrever-se num quadro de virtudes sociais, promoveu como finalidade política os fundamentos da sociedade, da natureza humana e da ideia de humanidade, procurando redescobrir as regras do direito natural a partir dos princípios fundamentais da natureza humana, traçadas por Smith e por Rousseau que circunscrevem, duas perspetivas de compaixão: Smith refere que o homem é portador de dois princípios, o amor de si e o interesse pelo outro, e Rousseau apresenta a compaixão como categoria política, dois princípios primordiais decorrem do direito natural; o cuidado de si e a compaixão (decorrente dos direitos naturais e dos deveres para com o outro).

Incorporando uma determinada capacidade de sofrimento com e pelos outros, a compaixão virá historicamente a ser entendida como uma capacidade instrumental legitimadora das ações públicas, traduzindo virtudes republicanas como essência das virtudes políticas.

Os comportamentos de sociabilidade (interligados ao conceito de civilidade), desenvolvem-se a partir do século XVI e estão na origem de todas a interrogações da compaixão.

O projeto de educação moral e política nos séculos XVII e XVIII apoia-se nestes conceções. A compaixão constitui-se uma noção chave da civilização republicana, cuja natureza política assenta na igualdade-solidariedade.

Apreendida como ideologia nos finais do século XIX, a solidariedade implicou uma nova representação do vínculo social e político, provocando simultaneamente uma alteração nos modos e nas formas de gestão do social e de intervenção pública.

O surgimento da solidariedade como um discurso ritual ou ainda entrepondo-se na verificação e julgamento de valor, ciência e ideologia, práticas sociais e políticas públicas, consciência subjetiva e determinações objetivas, cujo domínio nos séculos XVIII e XIX no discurso político, contrapõe com o termo caridade, interpretado como uma fraqueza do Estado, de retorno do plano religioso. Enquanto a igreja trabalha intensamente no âmbito da “questão social”, surge uma nova geração de “liberais” decorrente da crise teológica e eclesiástica, que vão contribuir para uma nova “moral laica”. Contrariamente às conceções de caridade numa ótica filantrópica ou humanista, a solidariedade apresenta-se como um sentimento de compaixão, oscilando entre a simpatia reflexo de um subtil equilíbrio entre o eu e o outro e o amor ao próximo, fundamentos da solidariedade, as grandes leis da assistência do princípio do século XX, como referência incontornável na construção e conceptualização das políticas sociais, concebidas de uma forma extensiva na luta contra os dispositivos de exclusão social.

 

(Correio do Vouga, 2015.10.28)

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Pobreza, um bom negócio?

 

Porque passou esta semana o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza.

Celebrou-se a 17 de outubro. A data foi comemorada oficialmente pela primeira vez em 1992, com o objetivo de alertar a população para a necessidade de defender um direito básico do ser humano.

A erradicação da pobreza e da fome é um dos oito objetivos de desenvolvimento do milénio, definidos no ano de 2000 por 193 países membros das Nações Unidas e várias organizações internacionais.

A pobreza no mundo, segundo dados revelados pela UNESCO, aponta que 842 milhões de pessoas continuaram a sofrer de fome crónica entre 2011 e 2013.

Contudo, a pobreza está a diminuir a uma taxa sem precedentes. Em 1990, 43% da população mundial vivia em pobreza extrema, com menos de 1,25 dólares por dia. Este número reduziu para 21%, mas há ainda muito trabalho pela frente, especialmente no continente africano.

Por sua vez, em Portugal o número de pobres e de pessoas que passam fome tem vindo a aumentar, em resultado da crise.

Segundo dados revelados pela Rede Europeia Anti-Pobreza, 18% dos portugueses são pobres. De acordo com esta organização, o número europeu que serve de referência para definir a pobreza equivale a um vencimento mínimo mensal de 406 euros.

Portugal surge na 141ª posição do top dos países mais pobres do mundo, com um PIB (PPC) per capita de 23,185 dólares.

As instituições de apoio e caridade social – não são necessários pruridos semânticos o que vale mais entre caridade e solidariedade, trataremos disso no próximo Correio do Vouga - têm registado um aumento significativo do número de pedidos de apoio por parte das famílias portuguesas.

E voltando ao título, será um bom negócio?

A Fundação Lusitânia defende, tendo vindo a trabalhar nesse sentido, sob o princípio que a economia é uma ciência social, tendo havido uma evolução anormalmente do ponto de vista técnico e científico, mas com sérios retrocessos sociais e humanos. As pessoas são parte da solução para os problemas económicos e deveriam ter as ferramentas para serem autossuficientes. E propôs áreas (Zonas Especiais de Economia Social de Mercado) com autonomia fiscal, administrativa e jurídica, que garantam um ambiente seguro para o início de um processo produtivo sustentado, em que o ser humano seria o centro. No fundo, zonas protegidas, com uma cultura própria, onde as infraestruturas já existentes são aproveitadas, de forma a tornar os locais intervencionados autossuficientes e até exportadores de recursos, acabando com a subsidiodependência. Se sem crescimento económico não há progresso, uma ZEESM só é autossustentável se for rentável, criar riqueza é mais importante do que fazer dinheiro. A ideia de que todos os ricos são os responsáveis pela pobreza e que para combater a pobreza é preciso combater a riqueza é algo profundamente errado. As ZEESM propõem formas mais eficazes e mais rentáveis de continuar a criar riqueza, abrindo novos mercados, isto é, a partir do fator social, se combatermos a pobreza de forma adequada, vai-se criar mais riqueza. Portanto, um bom negócio.

Refletindo sobre a origem da expressão (negação do ócio), porque não?

(Correio do Vouga, 2015.10.21)

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Isto e o seu contrário

Ou a ousadia da multiplicidade

 

Não faltam, nem nunca faltaram, opostos, isto e o seu contrário! Entre outros títulos e momentos, recordamos “Cláudio e Constantino” com mais de um ano ao “Sol” – como descreveu Filipa Melo no periódico homónimo sobre o argumento do título de Luísa Costa Gomes: se existe o que existe, então terá de existir também o que não existe, caso contrário o que existe não existiria. Uma “novela rústica em paradoxos”, ou antes um romance delicioso a partir de confrontos filosóficos entre verdade e especulação, alguns velhinhos de há 25 séculos.

A dupla, do romance, claro, anda junta por aí como se não houvesse mais nada - acrescentamos!

No começo da história (ou logo depois do começo do começo), Constantino e o irmão mais novo, Cláudio, estiveram tão entretidos a dar banho aos pintos no celeiro do Mirandolino que se esqueceram da hora de regresso a casa – mito interessante! Agora, estão sozinhos no escuro, à procura do melhor caminho. O que fazer? “Encontrar um ponto de referência 'por exemplo'. Em vez de 'por acaso'“. Constantino, bem mais especulativo e teatral do que o irmão, pode não chegar a resolver as questões, mas nunca larga o leme das reticências e possibilidades. Sobressai a eficácia das situações e dos diálogos criados para ilustrar inúmeros paradoxos, dilemas ou falácias famosos, sempre com recurso ao registo paródico e humorístico e à intertextualidade. Na casa grande e abastada da família, cheia de afeto e de vida e de temperamentos e nomes curiosos, Cláudio e Constantino vivem ou sonham maravilhosas aventuras de dúvida e descoberta. Neste romance, cabe mesmo tudo, para todas as idades.

A sugestão de leitura referida é apenas um subsídio para a compreensão desta ”maçada” de haver outras possibilidades de vida, de ação, de saída para as coisas que nos atormentam, como, por exemplo, o governo de um país! É saudável a plêiade de paradoxos que sustentam os passos andados e o contrário nas costas de quem anda:

Estar vivo é fingir-se morto;

Agir é prepotência;

Falar é arrogância;

Tomar a iniciativa é soberba;

Reclamar é falta de educação;

Dialogar é não falar sozinho;

Esquerda é não direita;

Resolução é autoritarismo;

Democracia é não tirania;

Inação é falta de cidadania;…

Existir com os outros é não estar sozinho!

Atribui-se a Mário Bergoglio, de Buenos Aires, "uma pessoa aparecia a correr a pedir socorro. Quem o perseguia? Um assassino? Um ladrão? Não..., um medíocre com poder. É verdade: pobres dos que estão sob o domínio do medíocre. Quando um medíocre acredita e lhe dão um pouco de poder, pobres dos que estão sob a sua alçada. O meu pai dizia-me sempre: "Cumprimenta as pessoas quando fores subindo, porque irás encontrá-las quando vieres a descer. Não duvides".

(in Correio do Vouga, 2015.10.14)

terça-feira, 6 de outubro de 2015

E agora? Tem de ser…

 

Vemos o momento que o país vive sob o prisma da solidariedade, que M Oliveira de Sousaconsideramos de amor ao próximo sem rodeios ou estigmas religiosos, alicerçado nos valores que conduziram muitos a sucumbir na luta pela igualdade, liberdade, fraternidade.

Depois das comemorações do feriado – de latim “feria” - “5 de outubro”, destacamos quanto é importante que a organização (também sistema) democrática se faça ouvir na eloquência dos atos: exercícios de cidadania para o bem comum. Só assim faz sentido a existência de seres pensantes; de outros interessa preservá-los e não é necessário que seja por aglutinação.

Evocando o grupo “Deolinda”, na canção bem sugestiva, “que seja agora”! – também foi mote de uma campanha.

Que seja agora, então, que assomem respostas plurais aos anseios da maioria dos portugueses que votaram.

Respostas aos problemas do país, um Estado Democrático em República, como as que na esfera pública vão emergindo sustentadas em projetos inteligentes e de custos reduzidos:

O “nosso” – por amizade, colaboração e por ser de Aveiro – Prof José Carlos Mota, um dos coordenadores da Plataforma da Bicicleta e Mobilidade Suave, parceria da Universidade de Aveiro (UA) que envolve investigadores, empresas e outras entidades, foi distinguido com o Prémio Nacional “Mobilidade em Bicicleta” 2015, categoria “Cidadania”. – Já abordado pelo “Correio do Vouga” no último número.

Segundo dados do INE, a sub-região Baixo-Vouga é a região portuguesa onde mais pessoas andam regularmente de bicicleta - o valor é oito vezes superior à média nacional - e o concelho da Murtosa, com 17%, é aquele com mais utilizadores de bicicleta em termos relativos. Face a estes dados e ao crescente interesse e importância da bicicleta na região, a Universidade de Aveiro lançou a Plataforma Tecnológica da Bicicleta e Mobilidade Suave.

A plataforma procura ajudar e apoiar a investigação que tem vindo a ser desenvolvida e tirar partido das experiências e projetos na área. Tem, inicialmente, cerca de 15 a 20 investigadores com a missão de apoiar e criar condições favoráveis para o uso da bicicleta e promover modos de deslocação em mobilidade suave, na região de Aveiro e em Portugal, como forma de estimular a melhoria do ambiente, mobilidade ou mesmo da economia.

Salientamos também o Projeto “Re-food”. Um movimento comunitário independente, 100% voluntário, conduzido por cidadãos e integrado numa IPSS, cujo fim consiste na recuperação de comida em boas condições para alimentar pessoas necessitadas. A Re-food está totalmente voltada para a comunidade e opera a partir da própria comunidade, sem salários, com custos baixos e alta produtividade, não detendo bens ou investimentos que não sirvam a sua missão.

Tem por missão eliminar o desperdício alimentar e acabar com a fome, incluindo neste esforço todos os membros da comunidade.

Todos têm a comida que precisam, todos os alimentos são aproveitados, todos os cidadãos participam ativamente na gestão dos preciosos recursos comunitários e todos assumem o seu poder, o seu direito e a sua obrigação de transformar o mundo num lugar melhor.

“Tem de acontecer, porque tem de ser, e o que tem de ser tem muita força. E sei que vai ser, porque tem de ser. Se é pra acontecer, pois que seja agora.”

(Correio do Vouga, 2015.10.07)