Em frente, vamos!.

EM FRENTE, VAMOS! Com presença, serenidade e persistência, há boas razões para esperar que isto é um bem...

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Qualidade do ar (Aveiro) e falta de verdade (UTMB)

 

Na cidade de Aveiro é cíclico encontrar mecanismos, testes, experiências e, pelo menos há já alguns anos, monitorização contínua da qualidade do ar. Desde há dias que faz-se notar um equipamento para esse fim junto ao Museu de Santa Joana, Museu de Aveiro. Trata-se, no caso, de uma ação que o Instituto de Ambiente e Desenvolvimento (IDAD), unidade de interface com a sociedade da Universidade de Aveiro (UA), está a promover: uma Campanha de Monitorização da Qualidade do Ar em Aveiro, no âmbito da ação “COST TD1105”. A campanha decorre com recurso ao Laboratório Móvel de Qualidade do Ar do IDAD e micro-sensores de várias equipas europeias. Também no âmbito da ação “COST TD 1105” decorreu, na UA, a 14 e 15 deste mês, o seminário “European Network on New Sensing Technologies for Air-Pollution Control and Environmental Sustainability”.

E quanto ao processo estamos tranquilos. A qualidade do ar está a ser monitorizada! Mas isto basta? Não, claro que não! Também queremos saber os resultados, como é que têm evoluído entre recolhas anteriores, medidas públicas que foram tomadas para resolver eventuais situações poluentes,… Isso é que torna importante estes episódios, não é?

Também seria de grande importância aproveitar a ação “COST TD1105” e estender a monitorização (e apresentação de resultados) um pouco mais para o sul do Concelho de Aveiro: está nauseabundo!

Segundo a propaganda da própria Unidade de Tratamento Mecânico e Biológico (www.ersuc.pt), “ é uma unidade industrial onde se efetua um tratamento aos resíduos sólidos urbanos (RSU), tendo em vista a sua separação por fluxos diferenciados, de modo a maximizar a recuperação de materiais recicláveis e valorizáveis.

A receção dos resíduos é feita através de um sistema de dupla porta que garante o confinamento dos odores no seu interior, sendo os RSU depositados em fossas e depois, através de garras montadas em pontes rolantes, encaminhados para o tratamento mecânico onde, através de múltiplas operações unitárias são divididos em vários fluxos: matéria orgânica, recicláveis (cartão, plástico, metais ferrosos e metais não ferrosos), CDR e refugos.

Estas operações são totalmente automáticas, incluem a crivagem dos RSU, abertura de sacos, separação balística, separação de ferrosos, separação de alumínios, separadores óticos por infra vermelhos e a preparação de suspensão orgânica. Os refugos são encaminhados para o Aterro Sanitário de Apoio, os CDR para as unidades de preparação de modo a serem utilizados como fonte de energia, em alternativa aos combustíveis fósseis. Os recicláveis são encaminhados para a indústria recicladora permitindo a sua transformação em matérias-primas para a produção de novos produtos. A matéria orgânica é transformada em suspensão aquosa, posteriormente afinada, através de equipamentos de depuração de onde são retiradas as impurezas (areias, vidro, pedras e outros). Depois de purificada esta suspensão segue para o tratamento biológico que consiste num conjunto de operações sequenciais, das quais se destacam a digestão anaeróbia e posterior valorização energética, a pré compostagem em túneis fechados, a compostagem em meseta e a afinação final, da qual se obtém um produto com propriedades adequadas ao enriquecimento do solo, o composto”

Porque é que por ali se sente que isto não é verdade? E não é só pelo odor….

2 comentários:

Anônimo disse...

Caro Manuel Sousa:é indigno de qualquer político e de qualquer sociedade democrática o que se fez e o que está a acontecer nessa dita Unidade de Tratamento Mecânico e Biológico.
A maior falta de respeito pelos cidadãos, pela saúde pública e pelo ambiente.
Mas como não é no centro urbano...

Anônimo disse...

até temas ambientais... post a discutir numa corrida:)