Em frente, vamos!.

EM FRENTE, VAMOS! Com presença, serenidade e persistência, há boas razões para esperar que isto é um bem...

terça-feira, 1 de julho de 2014

Os ridículos do mundial

 

Os Ridículos é título de bissemanário humorístico, começado a publicar-se em Lisboa, em 1895. Foi seu diretor Cruz Moreira, que, dois anos depois, viria a ser substituído por “Antonito”, outro humorista muito popular. Do seu programa, “praxe da imprensa alfacinha” que não queria evitar, ficamos logo a saber ao que vinha o jornal: “A nossa missão é ridicularizar, apepinar, troçar a humanidade em geral, e os políticos em particular. Não nos movem ódios, nem malquerenças, nem é nosso intento ferir, ou molestar as suscetibilidades de alguém”, esclarecia na sua edição de 3 de Outubro, a primeira. Apesar do entusiasmo inicial, o jornal foi suspenso em 1898, devido à forte concorrência entre os jornais humorísticos e ao elevado analfabetismo existente no país.

Oito anos depois, em 1905, é retomada a publicação e, juntamente com Eduardo Fernandes, reeditam Os Ridículos, aproveitando a oportunidade que lhes oferecia a efervescência política que precedeu a implantação da República. A partir de 1906, o jornal conhece então uma fase de grande desenvolvimento, enveredando pela crítica política e social e pela sátira aos acontecimentos dominantes da época. Os seus jocosos comentários granjearam-lhe uma popularidade e expansão que se manteria praticamente até ao fim do jornal, em 1974, sendo, um dos mais importantes e duradouros títulos humorísticos publicados em Portugal.

Em 2014, sem publicação mas com muita publicitação, dá-se mais uma epopeia de ridículos – não está inerente o caráter ou as pessoas, trata-se unicamente de uma abordagem sobre os acontecimentos que são dignos de riso – com a participação portuguesa no mundial de futebol no Brasil.

Os (acontecimentos) ridículos da seleção portuguesa são dignos de extensa lista. Mencionamos apenas alguns, os que foram publicados na imprensa, na comunicação em massa.

O improviso português na planificação tentando sempre, até ao dia que não o é, contrariar o princípio de Peter (ou princípio da incompetência de Peter, ou simplesmente princípio da incompetência: num sistema hierárquico, todo o funcionário tende a ser promovido até ao seu nível de incompetência) e a lei de Murphy (se alguma coisa pode correr mal corre mesmo), triunfou em larga escala nesta tragédia: lugares de estágio, lesões, desarticulação de discursos, arrogância de protagonistas, cabeçadas, expulsões… tudo!

Metade dos golos “marcados” por Portugal foram na própria baliza, autogolos do adversário!

Recorde mundial – ironia não fundamentada! – de utilização de jogadores num campeonato do mundo. Dos 23 da comitiva só dois não entraram em campo!

Eliminação ao segundo jogo. As justificações dadas por diretores, médicos, técnicos, jogadores, antes do terceiro jogo até no tempo verbal usado apontavam para a descrença absoluta.

Vedetismo, tatuagens e penteados!

Relação com as pessoas que acolheram, apoiaram, estavam na rua horas e horas à espera. Nunca houve espontaneidade. Foi tudo muito rebuscado, de semblante carregado – a não ser que desse dinheiro, imagem, que alimentasse o ego de alguém! Pouca atenção aos pormenores.

Ignorância total sobre o uso de símbolos nacionais. Hoje que joga futebol numa seleção nacional tem de ter um grau de literacia em semiótica de topo mundial. Não no mundo ocidental algo tão profundamente representativo do querer de um povo que uma alegria coletiva que uma seleção de futebol pode dar. Mais nenhum desporto é tão transversal, tão nivelador de classes. Sob aqueles símbolos está mais do que “uma equipa”. O futebol de seleções, mesmo que exacerbadamente industrializado, é uma identidade!

Prémio de 800 euros por dia! Pelo menos façam como os gregos, deem o dinheiro para fazer algo pelo futebol, por solidariedade!

Por fim, a chegada. A chegada, que ridículo. Vedetas mimadas e sem paciência para dar um pequeno sinal de esperança a quem acredita na identidade-entidade-seleção nacional! Mais do mesmo.

Tinham tudo para correr mal!

Ridícula figura!

Nenhum comentário: